Sobre nós

Sobre nós

Iepé é o termo tradicionalmente utilizado pelos grupos indígenas das Guianas para designar o amigo e parceiro de troca nas suas redes de intercâmbio.

Missão do Iepé

Contribuir para o fortalecimento cultural, político e para o desenvolvimento sustentável das comunidades indígenas em território brasileiro localizadas no Planalto das Guianas, visando o fortalecimento de suas formas de gestão comunitária e coletiva, para que os direitos dessas populações enquanto povos diferenciados sejam respeitados.

Nossos objetivos são valorizar e fortalecer:

modos de vida, formas de conhecimento e práticas locais indígenas, promovendo o diálogo intergeracional.

1.1. Valorização das redes de transmissão dos conhecimentos tradicionais indígenas, promovendo o diálogo intergeracional.

1.2. Fomentar a valorização de conhecimentos e práticas das mulheres indígenas e suas iniciativas de construírem redes de relações.

1.3. Fortalecimento de capacidades das organizações indígenas para a gestão de projetos relacionados à proteção territorial, ambiental e cultural e para a representação política de suas comunidades.

1.4. Formação de jovens homens e mulheres indígenas que contribua para seu posicionamento em relação à sociedade não indígena e em suas comunidades.

1.5. Fomentar a discussão, formulação, difusão e aplicação de protocolos de consulta que orientem as relações das comunidades indígenas com representantes do Estado.

redes e articulações interinstitucionais para a defesa de direitos socioambientais e para o desenvolvimento sustentável das áreas protegidas na região de atuação do Iepé.

2.1. Fomentar estratégias e ferramentas de gestão integrada para Terras Indígenas e outras Áreas Protegidas com vistas à efetividade do desenvolvimento sustentável na região.

2.2. Elaboração de estratégias para o enfrentamento das mudanças climáticas direcionadas à defesa da conservação da floresta e ao respeito pelos direitos dos povos indígenas e tradicionais.

2.3 Fortalecimento da gestão territorial e ambiental das Terras Indígenas em que o Iepé atua por meio da implementação de seus PGTA.

2.4. Monitoramento e influência positiva, a partir dos trabalhos desenvolvidos pelo Iepé, das políticas públicas indigenistas e ambientais.

2.5. Mapeamento de oportunidades para elaborar planos de negócios que integrem comunidades indígenas e tradicionais parceiras em cadeias produtivas e de comercialização.

O Iepé valoriza o respeito, como base de todos os relacionamentos, o diálogo, como o melhor instrumento das boas relações humanas, a cooperação e o espírito colaborativo diante dos desafios do dia-a-dia.

Nos últimos anos foram elaboradas políticas institucionais que orientam boas práticas na instituição, em que o Iepé se compromete com a proteção e promoção dos direitos de pessoas vulneráveis e busca a equidade de gênero. Essas políticas definem procedimentos para prevenir danos e indicam caminhos para responder adequadamente qualquer suspeita de violação. Com essas políticas o Iepé quer inspirar sua equipe, bem como outras pessoas, comunidades e instituições.

Conheça a Política de Proteção a Crianças, Adolescentes e Adultos em Situação de Vulnerabilidade e a Política para Promoção da Equidade de Gênero e Sexualidade do Iepé.

Equipe

Assembléia de sócios

Ana Paula Nóbrega da Fonte

Cássio Noronha Inglez de Sousa

Dafran Gomes Macário

Denise Fajardo

Décio Horita Yokota

Dominique Tilkin Gallois

Helder Rocha de Souza

Helena Lúcia de Oliveira Sábato

Juliana Rosalen

Lúcia Hussak van Velthem

Lúcia de Queiróz Ferreira Szmrecsányi

Luis Donisete Benzi Grupioni

Lux Boelitz Vidal

Maria Bernadette Arantes Nogueira Franceschini

Marina da Silva Kahn

Ruben Caixeta de Queiroz

coordenação executiva

Antropólogo, com mestrado e doutorado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi fundador e pesquisador do Mari – Grupo de Educação Indígena da USP, de 1988 a 2002, e é pesquisador associado ao Núcleo de História Indígena e do Indigenismo da USP (NHII-USP). Foi assessor do Ministério da Educação para a política nacional de educação indígena (1999-2002), consultor contratado pelo PNUD para assessorar o Ministério da Educação com as ações de educação indígena (2005-2006) e pela Unesco (2007) para assessorar o Conselho Nacional de Educação (CNE). Realizou pesquisa de campo entre os Bororo (MT), Zo’é (PA), Tiriyó e Katxuyana (AP/PA). Foi curador de várias exposições etnográficas e fotográficas sobre os povos indígenas no Brasil, no Brasil e no exterior, entre as quais destacam-se: Índios no Brasil (São Paulo, 1992), Artes Indígenas na Mostra do Redescobrimento (São Paulo e Rio de Janeiro, 2000), Amazônia, Native Traditions (Pequim, 2004), Brésil Indien (Paris, 2005), A arte da transformação: máscaras e rituais indígenas (Brasília, 2006). É autor do livro Coleções e Expedições Vigiadas (1997), dos livros infantis Juntos na Aldeia e Viagem ao Mundo Indígena (1996), e co-organizador das coletâneas A Temática Indígena na Escola (1995), Povos Indígenas e Tolerância (2001) e Formação de Professores Indígenas: repensando trajetórias (2006). É organizador dos catálogos Índios no Brasil (1992), A Carta de Pero Vaz de Caminha (2002), Amazônia, Native Traditions (2004) e Brésil Indien: les arts des amérindiens au Brésil (2005). Sua dissertação de mestrado recebeu o prêmio de melhor dissertação na área de Ciências Sociais em 1996 conferida pela Associação Nacional de Pesquisa em Ciências Social, Anpocs, em 1997. É Cavaleiro da Ordem Nacional do Mérito Educativo, desde 2002, por indicação da Presidência da República.

E-mail: [email protected]

Economista formado pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA/USP). Analista de sistema com experiência de trabalho em grandes empresas. Experiência em agroecologia em comunidades de agricultores, tendo trabalhado na ONG Oca Brasil no Cerrado de Goiás, na Escola Agrotécnica Federal de Ceres em Goiás e na associação de agricultores Cooperafloresta no Vale do Ribeira em São Paulo. Faz parte do Iepé desde 2007.

Setor administrativo-financeiro

Economista formado pela Fundação Santo André (FAECO/FSA), Especialização pela Fundação Getúlio Vargas (EESP/FGV) e Mestrado em Políticas Públicas pela Universidade de São Paulo (EACH/USP). Desde 2008 atua na gestão de organizações do terceiro setor como Fundação Osesp, Associação Pró-Dança, Instituto GPA entre outros.

Formada em Ciências Contábeis e graduanda do curso de Administração. Trabalha na coordenação administrativa do Instituto de Pesquisa e Formação em Educação Indígena – Iepé desde 2002, sendo de sua responsabilidade o acompanhamento administrativo e contábil de todos e projetos e auditoria das contas.

E-mail: [email protected]

Contador formado pela Faculdade de Macapá, Registrado no CRC/PA sob o nº 005416/O-4 T-AP, Pós-Graduado Lato Sensu pela faculdade JK/Serrana em Planejamento Tributário, Controladoria de Gestão, Auditoria, Perícia Judicial e Docência Superior. Contribuiu em 2001 na gestão do projeto de formação e capacitação para jovens que viviam em situação de vulnerabilidade social, na Ilha de Caratateua (PA) apoiado pelo Comunidade Solidária “Parceria para o Desenvolvimento Social”. Contribuiu na finalização e prestação de contas do Projeto Saúde Indígena firmado em 2004 entre a FUNASA e APINA. Trabalha no setor financeiro do Iepé desde 2009.

Administração: UNIP – Cursando

Experiência Profissional 12/2005 a 7/2008
Fidelity BPO – Auxiliar Administrativa
Atuação na área administrativa, atendimento ao cliente, preparação e análise de contratos, limpeza e indexação de imagens.

E-mail: [email protected]

Formada em Administração de Empresas com Pós Graduação em Gestão Contábil e Financeira pela FAAP. Especialização em Custos, Orçamento e indicadores de desempenho pela FGV. Desde 2007 atua no Planejamento, gestão e controle de Organizações Sociais, como Fundação Osesp e IEPÉ.

Comprador com mais de 12 anos de experiência em Organizações Sociais de Cultura, atuando em instituições do terceiro setor como Fundação Osesp e Theatro Municipal de São Paulo. Graduação em Direito incompleta.

Formação Superior em Gestão de Recursos Humanos. Atua na área administrativa e financeira do Iepé.

Especialista em Gestão de Pessoas e Docência do Ensino Superior com Graduação em Recursos Humanos, atuando desde 2012 na área administrativa e Recrutamento e Seleção de organizações do terceiro setor como Fundação Rio Solimões em Manaus e outras Empresas locais.

Programa Gestão da informação

Economista formado pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA/USP). Analista de sistema com experiência de trabalho em grandes empresas. Experiência em agroecologia em comunidades de agricultores, tendo trabalhado na ONG Oca Brasil no Cerrado de Goiás, na Escola Agrotécnica Federal de Ceres em Goiás e na associação de agricultores Cooperafloresta no Vale do Ribeira em São Paulo. Faz parte do Iepé desde 2007.

Possui graduação em Licenciatura Plena em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Amapá (2010). Especialização em Educação Ambiental no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (2011). Tem experiência na área de Educação Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: unidade de conservação, Amazônia, conservação, mineração, pesca e educação e trabalha com comunidades tradicionais: Indígenas, quilombolas, pescadores, extrativistas e assentados. Realizou consultoria para o Programa de Áreas Protegidas – ARPA, WWF Brasil, Conservação Internacional – CI, Projeto para a Conservação da Biodiversidade e Promoção do Desenvolvimento – PNUDE, Equipe de Conservação da Amazônia – ECAN e Instituto de Pesquisa e Formação Indígena – Iepé.

Jornalista formada na Universidade de São Paulo (USP). Cobriu a pauta socioambiental em redações como a revista Época, Globo Rural e Página22. No terceiro setor, se especializou em comunicação de causas e engajamento para campanhas. Colaborou por cinco anos para o Greenpeace Brasil, onde foi Líder de Comunicação do projeto Clima e Justiça e foi roteirista e apresentadora do podcast “As Árvores Somos Nozes”.

[email protected]

Graduado em geografia pela Universidade de São Paulo (USP).

Programa Wajãpi

Cientista social formada pela Universidade de São Paulo (USP), com curso não concluído de mestrado em Antropologia Social pela mesma instituição. Atua há 18 anos com populações indígenas da Amazônia Legal, acumulando experiências com instituições governamentais, pesquisa acadêmica e organizações não-governamentais, nos estados do Acre e Amapá, em atividades de saúde, educação e cultura. Desde 1999 é coordenadora do Programa de Educação Wajãpi, iniciado no CTI (1999-2003) e hoje funcionando pelo Iepé, além de coordenar o projeto Plano de Ação para a Salvaguarda do Conhecimento Tradicional, Oral e das Expressões Gráficas dos Wajãpi do Amapá, desenvolvido pelo Iepé em parceria com a Unesco. Foi chefe da Unidade Antropológica do Núcleo de Educação Indígena da Secretaria de Estado de Educação do Amapá (1998) e assessora antropológica da Equipe de Saúde do Alto Juruá, do Projeto de Saúde Povos Indígenas do Vale do Juruá – Acre (Health Unlimited – União das Nações Indígenas do Acre e Sul do Amazonas – UNI-AC) (1992-1994).

E-mail: [email protected]

Antropóloga, com mestrado e doutorado em Antropologia Social (subárea Etnologia Indígena) pela Universidade de São Paulo. Desde 1998 desenvolve pesquisas no campo da Antropologia da Saúde junto aos Wajãpi do Amapari (AP). Atuou no Programa Wajãpi (CTI) na formação da primeira turma de professores wajãpi. Entre 1998 e 1999 trabalhou no Vídeo nas Aldeias (CTI) com a organização e transcrição de materiais gravados por cinegrafistas indígenas. De 2005 a 2007 foi consultora do projeto “Valorização e adequação dos sistemas de parto tradicionais das etnias indígenas do Acre e Sul do Amazonas” (VIGISUS – Medicinas Tradicionais). Sócio-fundadora do Iepé,  atualmente é coordenadora adjunta do Programa Wajãpi. É responsável pelas ações de formação em saúde junto aos Wajãpi, com destaque para a formação de Agentes de Saúde Wajãpi em parceria com o DSEI AP e Norte do Pará. Colaboradora eventual em disciplinas no curso de Medicina da UNIFAP, no curso de Tecnologias em Saúde da UNIFESP e no curso de medicina da Faculdade de Ciências Médicas Albert Einstein. Tem experiência em consultorias para órgãos governamentais e não-governamentais no campo das Políticas Públicas voltadas à Saúde Indígena. Atua principalmente nos seguintes temas: saúde indígena; concepções de pessoa; cosmologias ameríndias; estados alterados; medicalização; políticas de saúde indígena.

Mestre em Sustentabilidade junto a Povos e Terras Tradicionais pela UnB, especialista em Desenvolvimento Sustentável e Direito Ambiental (CDS/UnB) e bacharel em Direito (UDF). Experiências como assessor indigenista e realizador audiovisual a partir de 2008. Atua como assessor indigenista no Progama Wajãpi do Iepé desde 2018.

Formado em Gestão Empresarial, Técnico Florestal e cursando Administração. Indigenista formado pela OPAN em 1995. Desde 94 atuando nas questões indígenas e ambientais no CTI, GIZ, IEF, TNC e Iepé.

Formado em Logística na área de implantação do sistemas de transporte, armazenamento e compras de suprimentos em empresas de qualquer porte. Curso técnico em administração. atuando desde 2017 no Iepé no programa PW cuidando da logística de 102 aldeias e auxiliando na gestão financeira da Awatac junto com a diretoria da Awatac.

Técnico em segurança privada (ESAFV 2012), técnico em Agroecologia em formação ( CIFAP ), Cursando Tecnologia da Gestão Ambiental na Universidade Cesumar.

Programa Oiapoque

Antropóloga, com mestrado em Antropologia Social (2016) e graduação em Ciências Sociais (2013) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Tem experiência na área de etnologia e saúde indígena, com pesquisa acadêmica entre os Guarani Mbya. Desde 2016, atua na região de Oiapoque (AP), com os povos Karipuna, Galibi Marworno, Galibi Kali’na e Palikur Arukwayene nas áreas de gestão socioambiental das terras indígenas, formação de pesquisadores, direitos indígenas e na assessoria às organizações indígenas. Coordena o Programa Oiapoque desde 2019.

Antropóloga aposentada. Presidente do Iepé e Conselheira da CPI/SP. Colaboradora do projeto “memória Xikrin”. Possui graduação em Arts pela Sarah Lawrence College (1951) , mestrado em Ciência Social (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo (1972) e doutorado em Ciência Social (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo (1973) . Professora Emérita da Universidade de São Paulo.

E-mail: [email protected]

Engenheira Florestal pela Universidade de São Paulo (2019). Possui experiência com povos tradicionais da Amazônia Legal e da Mata Atlântica. Atualmente compõe a equipe do Programa Oiapoque como assessora nas atividades das cadeias produtivas sustentáveis.

Graduado em Serviço Social pela PUC-SP, possui formação complementar em multimeios pela UNICAMP, e conservação e restauração de bens culturais móveis pela Fundação de Artes de Ouro Preto. Atua como assessor indigenista junto ao programa Oiapoque desde 2021.

 

Mestre em Biodiversidade Tropical pela Universidade Federal do Amapá (2021). Graduação em Ciências Ambientais (2019). Intensa vivência com logística de campo e técnicas de dinâmicas em grupos. Experiências com populações tradicionais, gestão de projetos voltados à cadeias produtivas, assessoria para organizações e gestão de conflitos.

Experiência profissional em áreas como: gerência de hotel, administração, secretariado, agente de viagem e operadora local, administração de pessoas, educação e fiscalização ambiental, batalhão ambiental, elaboração de projetos, legislação do SUS  e administração tributária.

Programa Tumucumaque

Antropóloga, com doutorado (2002) e pós-doutorado (2014) junto ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da USP. Tem experiência em pesquisas e docência acadêmica, bem como em projetos com povos indígenas Karib no Escudo das Guianas. É autora do livro Arte Visual dos Povos Tiriyó e Kaxuyana, e co-autora dos livros Povos Indígenas no Amapá e Norte do Pará e Entre Águas Bravas e Mansas. É sócia-fundadora do Iepé, onde coordena o Programa Tumucumaque desde 2005. [email protected]

Antropóloga, com doutorado (2019) em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da UFRJ. Desde 2018 contribuía pontualmente com o Programa Tumucumaque, na elaboração do Plano de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) e do Protocolo de Consulta Prévia, Livre e Informada de Terras Indígenas do Complexo Trombetas, até passar a integrar a equipe em julho de 2020. [email protected] 

Antropóloga com Mestrado (2019) em Antropologia Social pela USP. Em 2012, iniciou pesquisa acadêmica junto aos povos indígenas do Complexo Tumucumaque. No Programa Tumucumaque/Iepé, atua nas atividades ligadas aos Planos de Gestão Territorial e Ambiental das terras indígenas da região, formação de jovens, atividades com as mulheres indígenas, e nas demais agendas deste Programa, do qual é integrante desde 2016. [email protected] 

Antropólogo, com mestrado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atua como assessor indigenista no Programa Tumucumaque junto à APIW, e nas agendas do Programa em andamento na porção Roraimense do Complexo Trombetas. Integra o PTMC desde 2017. [email protected]

Engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal do Vale do Jequitinhonha – UFVJ (2012).  Atua como assessor indigenista do Programa Tumucumaque desenvolvendo atividades de fortalecimento do Manejo dos Recursos Naturais e relacionadas ao processo da organização e gestão territorial das Terras Indígenas Parque do Tumucumaque e Rio Paru d’Este. Integra este Programa desde julho de 2017. [email protected] 

Bacharel em História pela UFF, possui formação complementar em Cinema, com foco na produção de Filmes Etnográficos. Atualmente compõe a equipe do Programa Tumucumaque, dedicando-se à assessoria do CGPH (Conselho Geral do Povo Hexkaryana), bem como à condução de atividades na região do rio Nhamundá, no Complexo Trombetas. Integra o PTMC desde 2017. [email protected]

Mestre em Engenharia Florestal e Ambiental pela UFMT (2009), possui graduação em Saneamento Ambiental pela UNICAMP (2009). Fotógrafo/filmmaker, tem experiência com educomunicação entre povos tradicionais e indígenas. Integra a equipe do Programa Tumucumaque desde fevereiro de 2021, onde atua como Assessor Indigenista, com foco na região do Complexo Tumucumaque. [email protected]

Bacharel em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense – UFF (2015), com experiência de pesquisa entre os Katxuyana no Oeste do Pará, onde atua como assessora indigenista junto à equipe do Programa Tumucumaque desde fevereiro de 2021. É responsável pela assessoria à AIKATUK, e pelas agendas do Programa na região dos rios Cachorro e Trombetas (porção norte da Terra Indígena Kaxuyana-Tunayana). [email protected]

Bacharel em Antropologia, pela Universidade Federal do Amazonas – UFAM (2015). Com experiência de atuação indigenista (2016 a 2020) junto aos povos do Vale do Javari. Atualmente integra a equipe do Programa Tumucumaque, atuando nas agendas em curso na região do rio Mapuera, e assessorando as Associações APIM, APITMA e AMIRMO. [email protected]

Graduada em Pedagogia (2011), No Programa Tumucumaque onde atua na organização logística das atividades mais diretamente relacionadas ao Complexo Tumucumaque. Integra o Programa Tumucumaque desde 2007. [email protected]

Formada em Gestão de Recursos Humanos (2012) pela Faculdade de Tecnologia do Amapá (FTA/AP). Executa o apoio logístico necessário para a implementação de todas as atividades do Programa que precisam ser conduzidas a partir de Santarém. Integra o Programa Tumucumaque desde 2010. [email protected]

Atuou como Assistente Administrativa da Associação dos Povos Indígenas Tiriyó, Kaxuyana e Txikuyana – APITIKATXI no período de 2014_2015. Assessorou diretamente a APIWA na execução do projeto Orixiyana, com apoio Embaixada da Noruega em 2019. E desde janeiro de 2020 integra o Programa Tumucumaque, tendo como principal incumbência a assessoria à APIWA e APITIKATXI. [email protected]

Graduanda em Pedagogia. No Programa Tumucumaque é responsável pela organização (física e digital) das documentações geradas nas atividades e projetos em geral (fotos, listas de presença, relatórios, vídeos), e realiza apoios na preparação dos boletins mensais e nas atividades em geral. Integra o PTMC desde janeiro de 2019. [email protected]

Programa Zo’é

Doutora em Antropologia Social pela USP onde é professora desde 1985. Coordenou o Centro de Estudos Ameríndios da USP (CEstA) – antigo Núcleo de História Indígena e do Indigenismo (NHII) – onde dirige pesquisas com enfoque nos seguintes temas: tradições orais e cosmologias ameríndias, relações interétnicas e políticas indígenas, patrimônio cultural e etnoconhecimentos. Pesquisadora e assessora dos Wajãpi desde 1977 e primeira coordenadora do Programa Wajãpi, sob gestão do Centro de Trabalho Indigenista de 1992 a 2000. Pesquisa entre os índios Zo’é, norte do Pará. Assessora órgãos públicos e organizações não governamentais em programas voltados ao desenvolvimento sustentável de comunidades indígenas. Autora dos livros Migração, Guerra e Comércio: os Waiãpi na Guiana (FFLCH-USP, 1986), Mairi Revisitada (NHII, 1993), co-autora do livro Povos Indígenas no Amapá e norte do Pará (Iepé, 2003) e organizadora de Redes de relações nas Guianas (Humanitas, 2005) e Patrimônio Cultural Imaterial e Povos Indígenas (Iepé, 2006). Foi curadora da exposição Tempo e espaço na Amazônia: os Wajãpi (Museu do Índio/Funai, 2002).

E-mail: [email protected]

É doutorando em Antropologia pelo PPGAS/USP. Desde 2012 vem atuando como pesquisador junto aos Zo’é. Desde 2016 passou a fazer parte da equipe responsável pela elaboração e a implementação do PGTA da TI Zo’é. Tem experiência em etnologia indígena e interesse nos seguintes temas: ecologias indígenas, modos de saber, formação de pesquisadores indígenas, gênero e povos indígenas, gestão socioambiental, povos indígenas isolados e de recente contato.

Mestre em 2016 e agora doutorando em Antropologia Social pelo PPGAS/USP, bacharel em Ciências Sociais pela FFCH/UFBA em 2013. Durante a sua formação, junto aos Pataxó e aos Pataxó Hã hã hãe, interessou-se pelas relações entre territorialidade e parentesco. Desde o final de sua graduação, tem participado de programas voltados à formação indígena no âmbito da gestão territorial e ambiental. Fluente na língua Zo’é, é assessor do Iepé desde 2016, tendo colaborado com a elaboração do Plano de Gestão Territorial e Ambiental da Terra Indígena Zo’é.

Nascido em Macapá, cursou dois semestres de Psicologia na Faculdade IMMES e hoje graduado em técnico em segurança, Bio segurança alimentar e auxiliar técnico em contabilidade. Antes de entrar no Iepé, trabalhou muitos anos na área de vendas como consórcios, financiamentos e compra rápida.

RCA: Rede de Cooperação Amazônica

Antropólogo, com mestrado e doutorado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi fundador e pesquisador do Mari – Grupo de Educação Indígena da USP, de 1988 a 2002, e é pesquisador associado ao Núcleo de História Indígena e do Indigenismo da USP (NHII-USP). Foi assessor do Ministério da Educação para a política nacional de educação indígena (1999-2002), consultor contratado pelo PNUD para assessorar o Ministério da Educação com as ações de educação indígena (2005-2006) e pela Unesco (2007) para assessorar o Conselho Nacional de Educação (CNE). Realizou pesquisa de campo entre os Bororo (MT), Zo’é (PA), Tiriyó e Katxuyana (AP/PA). Foi curador de várias exposições etnográficas e fotográficas sobre os povos indígenas no Brasil, no Brasil e no exterior, entre as quais destacam-se: Índios no Brasil (São Paulo, 1992), Artes Indígenas na Mostra do Redescobrimento (São Paulo e Rio de Janeiro, 2000), Amazônia, Native Traditions (Pequim, 2004), Brésil Indien (Paris, 2005), A arte da transformação: máscaras e rituais indígenas (Brasília, 2006). É autor do livro Coleções e Expedições Vigiadas (1997), dos livros infantis Juntos na Aldeia e Viagem ao Mundo Indígena (1996), e co-organizador das coletâneas A Temática Indígena na Escola (1995), Povos Indígenas e Tolerância (2001) e Formação de Professores Indígenas: repensando trajetórias (2006). É organizador dos catálogos Índios no Brasil (1992), A Carta de Pero Vaz de Caminha (2002), Amazônia, Native Traditions (2004) e Brésil Indien: les arts des amérindiens au Brésil (2005). Sua dissertação de mestrado recebeu o prêmio de melhor dissertação na área de Ciências Sociais em 1996 conferida pela Associação Nacional de Pesquisa em Ciências Social, Anpocs, em 1997. É Cavaleiro da Ordem Nacional do Mérito Educativo, desde 2002, por indicação da Presidência da República.

E-mail: l[email protected]

Possui graduação e mestrado pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP, 2013). Atuou como docente e assessora pedagógica do Primeiro Magistério Indígena (MAGIND, 2002) e da Formação Intercultural Superior do Professor Indígena do estado de São Paulo (FISPI, 2005/2008), pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP)/Secretaria Estadual de Educação (SEDUC-SP). Realizou assessoria para a pesquisa de campo e elaboração dos Trabalhos de Conclusão de Curso dos Professores Guarani Mbya no FISPI e acompanhamento pedagógico nas Escolas Estaduais Indígenas da capital, litoral e Vale do Ribeira, no estado de São Paulo (2008/2009). Consultora-coordenadora da avaliação independente do Plano Nacional de Educação (PNE) – capítulo Educação Indígena – nos estados de São Paulo e Paraná, realizada pela Fundação Nacional do Índio (FUNAI)/ Universidade Federal de Roraima (UFRR, 2009/2010). Coordenou o Projeto Vocacional Aldeias na Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, onde articulou, junto às lideranças indígenas, a criação do Programa Aldeias (2013), voltado ao fortalecimento cultural e político das Terras Indígenas Guarani localizadas na capital de São Paulo. Membro da Comissão de seleção do Prêmio PROAC Cultura Indígena da Secretaria Estadual de Cultura do estado de São Paulo (2012/2013). Desde 2015 é assessora da Secretaria Executiva da Rede de Cooperação Amazônica (RCA), onde tem se dedicado à pauta, nacional e internacional, de Clima e mulheres indígenas. [email protected]

 

Parceiros

organizações indígenas

AMIM

Associação das Mulheres Indígenas em Mutirão

AMIRMO

Associação das Mulheres Indígenas da Região do Município de Oriximiná

APIW

Associação do Povo Indígena Waiwai

APIM

Associação dos Povos Indígenas do Mapuera

APITIKATXI

Associação dos Povos Indígenas Tiriyó, Katxuyana, Txikiyana

APIWA

Associação dos Povos Indígenas Wayana e Aparai

AIKATUK

Associação Indígena Katxuyana, Tunayana, Kahyana

AWATAC

Associação Wajãpi Ambiente, Terra e Cultura

Apina

Conselho das Aldeias Wajãpi

CCPIO

Conselho de Caciques dos Povos Indígenas do Oiapoque

APITMA

Associação dos Povos Indígenas Trombetas-Mapuera

CCLTKT

Conselho de Caciques e Lideranças Tiriyó, Katxuyana e Txikiyana

CGPH

Conselho Geral do Povo Hexkaryana

Financiadores

Moore

Gordon and Betty Moore Foundation

RFN

Rainforest Foundation - Noruega

TNC

The Nature Conservancy