Oiapoque em luto: Cacique Luciano, grande liderança Karipuna, faleceu em 05 de junho de 2021

Luciano pertencia a uma grande e tradicional família Karipuna, teve importante atuação nas Assembleias anuais e reuniões na aldeia. Espero que os jovens do Manga escrevam sobre sua vida e suas contribuições em um mundo de rápidas transformações

Texto: Lux Vidal | 06 de julho de 2021

Grande tristeza em saber que o Cacique Luciano nos deixou. A última vez que o vi foi durante a reunião das mulheres no Manga, em julho de 2019, quando dei uma escapadinha para ficar e conversar com ele sobre os tempos passados, memórias de tantas lutas e realizações. Ele gostava de falar sobre o passado, fazia parte de sua vida. Ele estava na varanda de sua nova casa, gentil e bem disposto, falava de como os tempos tinham mudado e de suas preocupações com o futuro dos jovens. 

Luciano foi o primeiro índio que nos recebeu, quando em 1990 chegamos ao Manga com Antonella. Vigilante, ele nos parou na estrada e queria saber quem éramos. Expliquei que vinha visitar o Dionísio que conheci durante vários anos em São Paulo, e desde aquele dia ficamos amigos.

Luciano era filho do velho Cacique Henrique, outro herói dos tempos passados, fundador da aldeia Estrela. Ele pertencia a uma grande e tradicional família Karipuna, e teve uma atuação muito importante durante as Assembleias anuais e reuniões mais restritas na aldeia, o que não era uma tarefa fácil. Ele era calmo, equilibrado e ponderado, conservador, e só mudava de opinião após ser bem informado.

As pessoas confiavam nele. Espero que os jovens do Manga escrevam sobre sua vida e suas contribuições em um mundo de rápidas transformações, especialmente no Manga, aldeia de entrada das terras indígenas após a construção do Ramal do qual ele fazia questão de cuidar. Ele sempre ficará, com muitas saudades, na memória de seu povo e de todos os que o conheceram.