Wajãpi

A primeira citação histórica a respeito dos Guaiapi data do século XVII, época em que viviam na região do baixo rio Xingu, ocupada até hoje por outros grupos tupi-guarani, como os Araweté e Asurini.

No século XVIII, cruzaram o rio Amazonas e empreenderam sucessivas migrações em direção ao norte, estabelecendo-se no interflúvio dos rios Jari, Araguari e Oiapoque. Hoje, Wajãpi é um marcador étnico definido por conteúdos e usos políticos em constante transformação. Essa autodenominação refere-se à língua compartilhada por todos os subgrupos distribuídos entre o Pará, o Amapá e a Guiana Francesa e seu uso crescente vem agregando outros elementos selecionados como distintivos de sua cultura.

Historicamente, o território wajãpi estendia-se do rio Jari ao rio Araguari, limitado ao sul pelo alto Iratapuru e ao norte pelos rios Oiapoque e Camopi, margem francesa. Nessa região mantiveram contatos intermitentes com diversas frentes – cabanos, extrativistas, colonos – desde o início do século XIX. Mas só passaram a conviver mais diretamente com não-índios no final da década de 60, quando foram encontrados por ‘gateiros’ e garimpeiros que viveram em suas aldeias e alastraram epidemias, provocando uma dizimação considerável entre vários subgrupos wajãpi, alguns deles inclusive hoje extintos. Este grupo indígena foi contatado oficialmente pela Funai em 1973, quando se iniciava a construção da rodovia Perimetral Norte (BR 210), que cortaria seu território. Naquele momento, sua população estava reduzida a 150 indivíduos, após ser dizimada pelas epidemias trazidas pelos não-índios.

Para prestar assistência aos sobreviventes e liberar a área onde seria aberta a estrada, a Funai agrupou as famílias de diferentes regiões em um único posto de assistência. Até o final da década de 1980, novos grupos de garimpeiros continuaram chegando à região, mas aos poucos os diferentes grupos locais wajãpi decidiram voltar a suas áreas de ocupação tradicional e se organizaram para expulsar os garimpeiros. O processo de regularização fundiária da TIW, iniciado com a delimitação da área em 1980, só foi concluído em 1996, com a homologação de sua demarcação física. Ao longo deste processo, os Wajãpi decidiram retomar e fortalecer seu padrão tradicional de ocupação territorial, baseado na dispersão das aldeias e na mudança periódica dos locais de moradia e plantio.

programas

outros povos

Galibi Kali’na

Galibi Kali’na

Os Galibi Kali’na provenientes da região do rio Maná, no litoral da Guiana Francesa, tendo…
Karipuna

Karipuna

Os Karipuna são uma população bastante heterogênea do ponto de vista étnico. Famílias provenientes das…
Palikur

Palikur

Os Palikur são um povo do tronco lingüístico Aruaque. Existem registros muito antigos sobre esta…
Galibi Marworno

Galibi Marworno

A adoção desta denominação étnica por uma parcela da população indígena da região do Uaçá…
Zo’é

Zo’é

Esse termo, que significa ‘nós’, é um classificador que diferencia este grupo de pessoas dos…
Povos Karib-Guianenses do Norte do Pará

Povos Karib-Guianenses do Norte do Pará

O que se sabe hoje, muito simplificadamente, sobre os povos indígenas karib-norte paraenses é que…