Conheça o Uasei, a marca do açaí dos povos indígenas do Oiapoque

Uma unidade de processamento foi instalada no Centro de Formação dos Povos Indígenas do Oiapoque. O açaí em garrafas de 1 litro pode ser comprado via encomendas

Texto: Thaís Herrero | 13 de maio de 2021

O açaí produzido pelos povos indígenas do Oiapoque (AP) já era conhecido pela sua boa qualidade e agora ganhou uma marca própria: o Uasei – O açaí dos povos indígenas do Oiapoque, que está sendo produzido por meio de uma batedeira instalada no Centro de Formação dos Povos Indígenas do Oiapoque, na Terra Indígena Uaçá.

Seu lançamento aconteceu no dia 8 de maio em um evento na sede do Museu Kuahi, quando os primeiros cem litros foram colocados à venda. Estiveram presentes na ocasião o cacique da Aldeia Manga José Elito, Gilberto Iaparrá, que é coordenador do Conselho de Caciques dos Povos Indígenas do Oiapoque (CCPIO), o Presidente da Câmara dos Vereadores Marcelo Martins, o Secretário de Urbanismo e o Vereador Fernando Karipuna.

A unidade de processamento de açaí está localizada no Centro de Formação, localizado no km 18 da rodovia BR 156, no ramal de ingresso à Aldeia Manga, e faz parte do projeto de implementação do Plano de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA), por meio do apoio às atividades produtivas sustentáveis e coletivas, fruto da parceria entre o CCPIO, FUNAI, TNC e o Iepé. 

Primeiro lote do Uasei sendo produzido. (Foto: Acervo Iepé)

Antes de colocar a unidade em funcionamento, representantes dos povos indígenas do Oiapoque se reuniram com a equipe do Iepé para estabelecer os acordos e boas práticas relacionados ao modelo de produção, recebimento do fruto e venda ao público. 

> > Para saber mais sobre a produção no Oiapoque, acesse “Uasei, o livro do açaí”.

Nesta primeira fase, uma equipe fixa de cinco indígenas foi contratada para processar e preparar o açaí trazido das aldeias. “A gente esperava faz muitos anos uma batedeira aqui para gerar emprego. Agora, cada família pode trazer seu açaí para vender e ganhar um pouco de dinheiro. E quem trabalha na batedeira também vai ganhar o pão de cada dia”, conta Edilaudo dos Santos. Ele é da etnia karipuna, mora na TI Uaçá e é um dos cinco funcionários responsáveis pelo processamento.

Luciete, Denison e Diese, que foram contratados para a unidade de processamento. (Foto: Acervo Iepé)

Diese Felicio Batista, da etnia palikur, que também faz parte da equipe, deseja que o trabalho renda elogios dos seus amigos, dos caciques e de quem comprar o açaí. “Espero que a gente que está trabalhando com a batedeira faça o nosso melhor”, disse.

A expectativa é de produzir 200 litros por semana, vendidos em garrafas de um litro. A próxima etapa será oferecer o produto em restaurantes e pousadas para que mais e mais pessoas possam apreciá-lo.

Como comprar Uasei – O açaí dos povos indígenas do Oiapoque?
As vendas estão sendo feitas por encomenda e entrega em domicílio. Para saber mais entre em contato pelo Whatsapp no número (96) 98117-0955.